Quais os critérios para indentificar os livros apócrifos e canônicos?


Livros apócrifos: eles são confiáveis?

Olhar desconfiado. Crédito imagem:  jsylau

RAZÕES PORQUE OS LIVROS APÓCRIFOS DEVEM SER REJEITADOS


     Não estão de acordo com os critérios usados para aceitação dos livros canônicos:


a)        O Pentateuco [os primeiros cinco livros da Bíblia] serve de critério na aceitação de todos os outros livros da Bíblia. Se os livros apócrifos não concordam com o Pentateuco eles não são inspirados.  (Is 8.20; Mt.5.18-19)



b)        Se João, o evangelista tivesse escrito algo que contradisse o que Moisés escreveu, o evangelho de João deveria ser rejeitado como não inspirado, pois Deus não se contradiz;

c)        Os livros apócrifos contradizem Moisés e os outros profetas, várias vezes;

d)        Nem Cristo nem os apóstolos citaram os apócrifos;

e)        Jerônimo os rejeitou porque não foram escrito em hebraico (com exceção de Eclesiástico, Tobias, e 1 Macabeus )

f)         Foi a igreja católica no concílio de Trento Em 1548 d.C. que colocou os 12 livros apócrifos como inspirados.


-          Na sua boa providência Deus fez que seu povo reconhece a Sua Palavra e recebesse a Sua Palavra.


-          Assim como revelou sua Palavra as autores Bíblicos, também, agiu soberanamente para que os livros canônicos fosse  como de autoria Divina.

     Os Apócrifos Não São Inspirados. - Razões.


       Seus ensinos baseados em histórias fictícias, lendárias e absurdas.

- Tobias 6.1-4 - "Partiu, pois,  Tobias, e o cão o seguiu, e parou na primeira pousada junto ao rio Tigre. E saiu a lavar os pés, e eis que saiu da água um peixe monstruoso para o devorar. À sua vista, Tobias, espavorido, clamou em alta voz, dizendo: Senhor, ele lançou-se a mim. E o anjo disse disse-lhe: Pega-lhe pelas guerras, e puxa-o para ti. Tendo assim feito, puxou-o para terra, e o começou a palpitar a seus pés
       Ensina erros doutrinários - tais como:
a)       Orações pelos mortos

b)       Falsas curas
c)       Queimar o coração de um peixe para expulsar o demônio [fetiçaria]
d)       Salvação por esmolas e obras;
e)       Alteração dos destinos das almas após a morte.
f)        A falsa doutrina do purgatório
       Por estas razões a igreja católica aceita os livros apócrifos, porque eles dão uma falsa base para seus ensinos heréticos.


.ENSINOS HERÉTICOS PELOS QUAIS OS LIVROS APÓCRIFOS FORAM REJEITADOS



        Ensinam Artes Mágicas ou de Feitiçaria como método de exorcismo:

 Tobias 6.5-9 - "Então disse o anjo: Tira as entranhas a esse peixe, e guarda, porque estas coisas te serão úteis. Feito isto, assou Tobias parte de sua carne, e levaram-na consigo para o caminho; salgaram o resto, para que lhes bastassem até chegassem a Ragés, cidade dos Medos. Então Tobias perguntou ao anjo e disse-lhe: Irmão Azarias, suplico-lhe que me digas de que remédio servirão estas partes do peixe, que tu me mandaste guardar: E o anjo, respondendo, disse-lhe: Se tu puseres um pedacinho do seu coração sobre brasas acesas , o seu fumo afugenta toda a casta de demônios, tanto do homem como da mulher, de sorte que não tornam mais a chegar a eles. E o fel fel é bom para untar os olhos que têm algumas névoas,  e sararão"



b)     Este ensino que o coração de um peixe tem o poder para expulsar toda espécie de demônios contradiz tudo o que a Bíblia diz sobre como enfrentar o demônio.


c)      Deus jamais iria mandar um anjo seu, ensinar a um servo seu, como usar os métodos da macumba e da bruxaria para expulsar demônios.



d)     Satanás não pode ser expelido pelos métodos enganosos da feitiçaria e bruxaria, e de fato ele não tem interesse nenhum em expelir demônios (Mt 12.26).



e)     Um dos sinais apostólicos era a expulsão de demônios, e a única coisas que tiveram de usar foi o nome de Jesus (Mc 16.17; At 16.18)



       Ensinam que Esmolas e Boas Obras - Limpam os Pecados e Salvam a Alma


a)       Tobias 12.8, 9 - "É boa a oração acompanhada do jejum, dar esmola vale mais do que juntar tesouros de ouro; porque a esmola livra da morte (eterna), e é a que apaga os pecados, e faz encontrar a misericórdia e a vida eterna".



Eclesiástico 3.33 - "A água apaga o fogo ardente, e a esmola resiste aos pecados"



b)       Este é o primeiro ensino de Satanás, o mais terrível, e se encontrar basicamente em todas a seitas heréticas.

c)       A Salvação por obras, destrói todo o valor da obra vicária de Cristo em favor do pecador. Se caridade e boas obras limpam nossos pecados, nós não precisamos do sangue de Cristo. Porém, a Bíblia não deixa dúvidas quanto o valor exclusivo do sangue como um único meio de remissão e perdão de pecados:
-          Hb 9:11, 12, 22 -  "Mas Cristo... por seu próprio sangue, entrou uma vez por todas no santo lugar, havendo obtido um eterna redenção ...sem derramamento de sangue não há remissão."


-          I Pe 1:18, 19 - "sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver, que por tradição recebestes dos vossos pais, mas com precioso sangue, como de um cordeiro sem defeito e sem mancha, o sangue de Cristo,"
d)       Contradiz Bíblia toda. Ela declara que somente pela graça de Deus e o sangue de Cristo o homem pode alcançar justificação e completa redenção:
Romanos 3.20, 24, 24 e 29 - "Ninguém será justificado diante  dele pelas obras da lei.. sendo justificados gratuitamente por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus. A quem Deus propôs no seu sangue....  Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé, independentemente das obras da lei".
       4.3o)    Ensinam o Perdão dos pecados através das orações-

a)     Eclesiástico 3.4 - "O que ama a Deus implorará o perdão dos seus pecados, e se absterá de tornar a cair neles, e será ouvido na sua oração de todos os dias".     

b)     O perdão dos pecados não está baseado na oração que se faz pedindo o perdão, não é fé na oração, e sim fé naquele que perdoa o pecado, a oração por si só, é uma boa obra que a ninguém pode salvar. 


Somente a oração de confissão e arrependimento baseadas na fé no sacrifício vicário de Cristo traz o perdão (Pv. 28.13; I Jo 1.9; I Jo 2.1,2)

          Ensinam a Oração Pelos Mortos



a)     2 Macabeus 12:43-46 - "e tendo feto uma coleta, mandou 12 mil dracmas de prata a Jerusalém, para  serem oferecidas em sacrifícios pelos pecados dos mortos, sentindo bem e religiosamente a ressurreição, (porque, se ele não esperasse que os que tinham sido mortos, haviam um dia de ressuscitar, teria por uma coisa supérflua e vã orar pelos defuntos); e porque ele considerava que aos que tinham falecido na piedade estava reservada uma grandíssima misericórdia. É, pois, um santo e salutar pensamento orar pelos mortos, para que sejam livres dos seus pecados".



b)     É neste texto falso, de um livro não canônico, que contradiz toda a Bíblia, que a Igreja Católica Romana baseia sua falta e herege doutrina do purgatório.





c)      Este é novamente um ensino Satânico para desviar o homem da redenção exclusiva pelo sangue de Cristo, e não por orações que livram as almas do fogo de um lugar inventado pela mente doentia e apostata dos teólogos católicos romanos.





d)     Após a morte o destino de todos os homens é selado, uns para perdição eterna e outros para a Salvação eterna - não existe meio de mudar o destinos de alguém após a sua morte. Veja Mt. 7:13,13; Lc 16.26



            Ensinam a Existência de um Lugar Chamado PURGATÓRIO


a)       Este é o ensino Satânico inventado pela Igreja Católica Romana, de que o homem, mesmo morrendo perdido, pode ter uma Segunda chance de Salvação.



b)       Sabedoria 3.1-4 - "As almas dos justos estão na mão de Deus, e não os tocará o tormento da morte. Pareceu aos olhos dos insensatos que morriam; e a sua saída deste mundo foi considerada como uma aflição, e a sua separação de nós como um extermínio; mas eles estão em paz (no céu). E, se eles sofreram tormentos diante dos homens, a sua esperança está cheia de imortalidade".

c)       A Igreja Católica baseia a doutrina do purgatório na ultima parte deste texto, onde diz: " E, se eles sofreram tormentos diante dos homens, a sua esperança está cheia de imortalidade".


-  Eles ensinam que o tormento em que o justo está, é o purgatório que o purifica para entrar na imortalidade.
 -  Isto é uma deturpação do próprio texto do livro apócrifo. De modo, que a igreja Católica é capaz de qualquer desonestidade textual, para manter suas heresias.

-  Até porque, ganha muito dinheiro com as indulgências e missas rezadas pelos mortos.
d)       Leia atentamente as seguinte textos das Escrituras, que mostram a impossibilidade do purgatório : I Jo 1.7; Hb 9.22; Lc 23.40-43; I6: 19-31; I Co 15:55-58; I Ts 4:12-17; Ap 14:13; Ec 12:7; Fp 1:23; Sl 49:7-8; II Tm 2:11-13; At 10:43)


          Nos Livros Apócrifos Os Anjos Mentem


a)       Tobias 5.15-19 - "E o anjo disse-lhe: Eu o conduzirei e to reconduzirei. Tobias respondeu: Peço-te que me digas de que família e de tribo és tu? O anjo Rafael disse-lhe: Procuras saber a família do mercenário, ou o mesmo mercenário que vá com teu filho? Mas para que te não ponhas em cuidados,, eu sou Azarias, filho do grande Ananias. E Tobias respondeu-lhe: Tu és de uma ilustre família. Mas peço-te que te não ofendas por eu desejar conhecer a tua geração.



b)       Um anjo de Deus não poderia mentir sobre a sua identidade, sem violar a própria lei santa de Deus. Todos os anjos de Deus, foram verdadeiros quando lhes foi perguntado a sua identidade. Veja Lc 1.19


        4.7o)    Mulher que Jejuava Todos os Dias de Sua Vida

a)        Judite 8:5,6 - "e no andar superior de sua casa tinha feito para si um quarto retirado, no qual se conservava recolhida com as suas criadas, e, trazendo um cilício sobre os seus rins, jejuava todos os dias de sua vida, exceto nos sábados, e nas neomênias, d nas festas da casa de Israel"



b)        Este texto legendário tem sido usado por romana relacionado com a canonização dos "santos" de idolatria. Em nenhuma parte da Bíblia jejuar todos os dias da vida é sinal de santidade. Cristo jejuou 40 dias e 40 noites e depois não jejuou mais.

O livro de Judite é claramente um produção humana, uma lenda inspirada pelo Diabo, para escravizar os homens aos ensinos da igreja Católica Romana.



       Ensinam Atitudes Anticristãs, como: VINGANÇA, CRUELDADE E EGOÍSMO:


a)       VINGANÇA - Judite 9:2



b)       CRUELDADE e EGOÍSMO - Eclesiástico 12:6

c)         Contraria o que a Bíblia diz sobre:


-          Vingança (Rm 12.19, 17)


-          Crueldade e Egoísmo ( Pv. 25:21,22; Rm 12:20; Jo 6:5; Mt 6:44-48)


        A igreja Católica tenta defender a IMACULADA CONCEIÇÃO baseando em uma deturpação dos apócrifos (Sabedoria 8:9,20) - Contradizendo: Lc. 1.30-35; Sl 51:5; Rm 3:23)





 CONCLUSÃO: 

Temos todas as razões para rejeitar os livros apócrifos.

Eles são um poderoso instrumento de Satanás para semear heresias destrutivas.



 A igreja Católica Romana os abraçou, porque não podia apoiar suas heresias nos livros canônicos, então, como é falsa até a raiz, apelou para livros que são fontes de falsidades e heresias.

  Satanás tem usado de todos os meios e artimanhas para confundir a doutrina Bíblica.


      A Bíblia completa, se compõe de 66 livros, que são a Única, Verdadeira e Comprovada Palavra de Deus.

http://solascriptura-tt.org/Bibliologia-InspiracApologetCriacionis/ApocrifosOsLivros-Laerton.htm


* Este estudo foi resultado de pesquisas em várias fontes tais como: ”Léxicos e dicionários de grego, Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã, Novo Dicionário da Bíblia, Dic. Int. de Teol. Do N.T., folhetos, etc..


José Laérton




COMPLEMENTO:


Essas fraudes já eram conhecidas, o próprio Paulo passou a assinar suas cartas:

Saudação da minha própria mão, de mim, Paulo, que é o sinal em todas as epístolas; assim escrevo. 
2 Tessalonicenses 3:17
A Tradição judaica nunca colocou apócrifos em seu canon,  os livros canonicos são interligados entre si, o conhecimento por vários séculos desses escritos ajudou a montar um teia de referencias enormes, coisa não encontrada nos apócrifos.
O conhecimento de geração à geração também tem um papel importante para a recusa desses "fakes", ou seja, a geração dos apóstolos que vai passando os ensinamentos à diante, e assim sucessivamente, se aparecer algum documento ilegítimo se passando por legitimo não será considerado por aquele que detém o conhecimento, e este tem o papel de mostrar isso aos outros.

Lista de Apóscrifos:


http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:Lista_de_livros_ap%C3%B3crifos


O conhecimento humano

Escultura: Jaume Plensa. Imagem crédito: Fotografik33


Nosso conhecimento cientifico de cada dia...

No conhecimento cientifico dependemos da observação de outras pessoas, confiamos no que outras pessoas dizem, através de divulgações em publicações cientificas, não estávamos lá na hora do experimento, e nem temos condições de reproduzir a maioria das descobertas que nos relatam, acreditamos nos relatos mesmo sem ver, tendo como suporte um grupo de observações alheias corroborando com a existência do fato testemunhado. A pseudociência pode ser identificável pela falta desses testemunhos.


Especulação não é conhecimento cientifico.

O conhecimento cientifico gera frutos para a sociedade, pois ele  ajuda no desenvolvimento de tecnologias, e novos mendicamentos. Em oposição a isso, temos o estudo da Teoria da Evolução das Espécies, que nunca gerou nenhum fruto bom para a sociedade,  o estudo da genética, química etc. Funcionam independente de teorias que tentam adivinhar o passado:

“De fato, durante os últimos 100 anos, praticamente toda a biologia progrediu independente da teoria da evolução, exceto a própria biologia evolucionária. A Biologia Molecular, Bioquímica. Fisiologia não tiveram em conta a teoria da evolução.” (citado no “Boston Globe” 23 de Outubro 2005)”

As especulações puras de nada servem, um dos campos mais férteis para isso é quando se tenta criar um passado (obviamente não observado), dentro de especulações de milhões ou bilhões de anos, ou seja, os trabalhos envolvendo o surgimento (não confundir com o funcionamento) do Universo, da vida, ou das espécies.

O tempo do registro histórico humano, isto é, o que foi observado por homens do passado, fica na casa dos milhares de anos, o que se tenta concluir além disso, com alegações supostamente cientificas, na verdade, é pura especulação. A ciência moderna não tem como dizer o que ocorreu no passado especulado, a não ser que tenha sido observado por pessoas, o que sabemos não ser o caso.

Bíblia

Vimos acima que o conhecimento é relacionado com a troca que temos com outras pessoas, dependemos do que foi observado por outras pessoas para adquirir conhecimento..E o que a crença em Deus tem a ver com isso? Bom, usando absolutamente a mesma lógica do conhecimento, a observação foi documentada, esses documentos estão reunidos no que chamamos de Bíblia.

E o que garante que foram observados? Justamente os testemunhos múltiplos. Assim como ocorre na própria ciência, na bíblia temos testemunhos suportando o conhecimento sobre as manifestações de Deus, essas observações seriam o equivalente às observações de campo. O passado embora não seja reproduzível em laboratório, sua construção faz parte do mesmo mecanismo dos testemunhos, onde eventos são observados, documentados e transmitidos.

Veja um link abaixo com outro texto para auxilia-lo nessa compreensão:



CONCLUSÃO:


Na interação humana há regras intrínsecas à racionalidade que possibilitam a construção do passado, o estabelecimento de uma verdade e o desenvolvimento humano. Se não fosse assim, o desenvolvimento humano não ocorreria. 

O homem não é onipresente nem onisciente, destarte, ele depende de outras pessoas! 

Portanto, são infundados os ataques  à credibilidade do conteúdo bíblico utilizando-se como argumento que a observação foi feita por outras pessoas, e não por nós mesmos. Isso acaba entrando em contradição com a própria transmissão do conhecimento cientifico, que é resultado da soma de observações alheias.

Quando a ciência é utilizada sem testemunhos e sem observações, ignorando itens essenciais do próprio método cientifico, o resultado é apenas especulação, e não verdade absoluta.

Só podemos saber do passado por registros históricos, isto é, observações + relatos. E os documentos que compõem a Bíblia são também produtos desses mecanismos de construção do passado, utilizados não só na História, como no conhecimento cientifico (verdadeiro) e nos sistemas jurídicos de todo o Mundo.

Veja mais sobre a Bíblia e o registro histórico, aqui.


25 Profecias Cumpridas num Dia!!


Deserto da Judéia. Imagem crédito: Gabriella Hal

"Tudo isto, porém, aconteceu para que se cumprissem as Escrituras dos profetas...”Mateus 26.56

As seguintes profecias do Antigo Testamento (Bíblia Sagrada), sobre a traição, o julgamento, a morte e o sepultamento de nosso Senhor Jesus Cristo, foram feitas por diferentes pessoas, em épocas distintas, em um espaço de cinco séculos, de 1000 a 500 a.C. Todas se cumpriram, literalmente.




1. Vendido por trinta moedas de prata

Profecia: “Eu lhes disse: se vos parece bem, dai-me o meu salário; e, se não, deixai-o. Pesaram, pois, por meu salário trinta moedas de prata”. Zacarias 11.12

Cumprimento: “Então, um dos doze, chamado Judas Iscariotes, indo ter com os principais sacerdotes, propôs: Que me quereis dar, e eu vo-lo entregarei? E pagaram-lhe trinta moedas de prata”. Mateus 26.14-15


2. Traído por um amigo

Profecia: “...mas és tu, homem meu igual, meu companheiro e meu íntimo amigo. Juntos andávamos, juntos nos entretínhamos e íamos com a multidão à Casa de Deus. A morte os assalte, e vivos desçam à cova! Porque há maldade nas suas moradas e no seu íntimo”. Salmos 55.13-15

Cumprimento: “E logo, aproximando-se de Jesus, lhe disse: Salve, Mestre! E o beijou.  Jesus, porém, lhe disse: Amigo, para que vieste? Nisto, aproximando-se eles, deitaram as mãos em Jesus e o prenderam”. Mateus 26.49-50


3. O Dinheiro foi atirado para o oleiro

Profecia: “Então, o SENHOR me disse: Arroja isso ao oleiro, esse magnífico preço em que fui avaliado por eles. Tomei as trinta moedas de prata e as arrojei ao oleiro, na Casa do SENHOR”. Zacarias 11.13

Cumprimento: “Então, Judas, o que o traiu, vendo que Jesus fora condenado, tocado de remorso, devolveu as trinta moedas de prata aos principais sacerdotes e aos anciãos, dizendo: Pequei, traindo sangue inocente. Eles, porém, responderam: Que nos importa? Isso é contigo. Então, Judas, atirando para o santuário as moedas de prata, retirou-se e foi enforcar-se. (...) E, tendo deliberado, compraram com elas o campo do oleiro, para cemitério de forasteiros”. Mateus 27.3-5,7


4. Os discípulos O abandonaram

Profecia: “Desperta, ó espada, contra o meu pastor e contra o homem que é o meu companheiro, diz o SENHOR dos Exércitos; fere o pastor, e as ovelhas ficarão dispersas; mas volverei a mão para os pequeninos”. Zacarias 13.7

Cumprimento: “Então, os discípulos todos, deixando-o, fugiram”. Mateus 26.56

“Então, lhes disse Jesus: Todos vós vos escandalizareis, porque está escrito: Ferirei o pastor, e as ovelhas ficarão dispersas”. Marcos 14.27



5. Acusado por falsas testemunhas

Profecia: “Levantam-se iníquas testemunhas e me argúem de coisas que eu não sei”. Salmo 35.11

Cumprimento: “Ora, os principais sacerdotes e todo o Sinédrio procuravam algum testemunho falso contra Jesus, a fim de o condenarem à morte. E não acharam, apesar de se terem apresentado muitas testemunhas falsas. Mas, afinal, compareceram duas, afirmando: Este disse: Posso destruir o santuário de Deus e reedificá-lo em três dias”. Mateus 26.59-61



6. Bateu-se e cuspiu-se nEle

Profecia: “Ofereci as costas aos que me feriam e as faces, aos que me arrancavam os cabelos; não escondi o rosto aos que me afrontavam e me cuspiam”. Isaías 50.6

Cumprimento: “Então, uns cuspiram-lhe no rosto e lhe davam murros, e outros o esbofeteavam, dizendo: Profetiza-nos, ó Cristo, quem é que te bateu!” Mateus 26.67,68



Observem-se os detalhes na concordância da profecia e do cumprimento:

Bater-se-á nEle

No rosto e em outras partes do corpo

Cuspir-se-á nEle

Cuspir-se-á no Seu rosto



7. Mudo diante dos Seus acusadores

Profecia: “Ele foi oprimido e humilhado, mas não abriu a boca; como cordeiro foi levado ao matadouro; e, como ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não abriu a boca”. Isaías 53.7

Cumprimento: “E, sendo acusado pelos principais sacerdotes e pelos anciãos, nada respondeu. Então, lhe perguntou Pilatos: Não ouves quantas acusações te fazem? Jesus não respondeu nem uma palavra, vindo com isto a admirar-se grandemente o governador”. Mateus 27.12-14



8. Ferido e pisado

Profecia: “Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados”. Isaías 53.5

Cumprimento: “Então, Pilatos lhes soltou Barrabás; e, após haver açoitado a Jesus, entregou-o para ser crucificado. Logo a seguir, os soldados do governador, levando Jesus para o pretório, reuniram em torno dele toda a coorte. Despojando-o das vestes, cobriram-no com um manto escarlate; tecendo uma coroa de espinhos, puseram-lha na cabeça e, na mão direita, um caniço; e, ajoelhando-se diante dele, o escarneciam, dizendo: Salve, rei dos judeus!” Mateus 27.26-29



9. Ele sucumbiu sob o peso da cruz

Profecia: “De tanto jejuar, os joelhos me vacilam, e de magreza vai mirrando a minha carne”. Salmo 109.24

Cumprimento: “Tomaram eles, pois, a Jesus; e ele próprio, carregando a sua cruz, saiu para o lugar chamado Calvário, Gólgota em hebraico”. João 19.17

“E, como o conduzissem, constrangendo um cireneu, chamado Simão, que vinha do campo, puseram-lhe a cruz sobre os ombros, para que a levasse após Jesus”. Lucas 23.26



O Senhor Jesus Cristo, após ter sofrido muito com os açoites, ficou fraco, Seus joelhos se dobraram sob a pesada cruz. Por isso, foi necessário entregá-la a outro para ser carregada.



10. Mãos e pés transpassados

Profecia: “Cães me cercam; uma súcia de malfeitores me rodeia; traspassaram-me as mãos e os pés”. Salmo 22.16

Cumprimento: “Quando chegaram ao lugar chamado Calvário, ali o crucificaram, bem como aos malfeitores, um à direita, outro à esquerda”. Lucas 23.33



Jesus Cristo, foi crucificado segundo o costume dos romanos: as mãos e os pés eram perfurados por longos cravos, para pregar o corpo na cruz (compare João 20.25-27)



“Disseram-lhe, então, os outros discípulos: Vimos o Senhor. Mas ele respondeu: Se eu não vir nas suas mãos o sinal dos cravos, e ali não puser o dedo, e não puser a mão no seu lado, de modo algum acreditarei. Passados oito dias, estavam outra vez ali reunidos os seus discípulos, e Tomé, com eles. Estando as portas trancadas, veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco! E logo disse a Tomé: Põe aqui o dedo e vê as minhas mãos; chega também a mão e põe-na no meu lado; não sejas incrédulo, mas crente”. João 20.25-27



11. Crucificado junto com malfeitores

Profecia: “Por isso, eu lhe darei muitos como a sua parte, e com os poderosos repartirá ele o despojo, porquanto derramou a sua alma na morte; foi contado com os transgressores; contudo, levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu”. Isaías 53.12

Cumprimento: “Com ele crucificaram dois ladrões, um à sua direita, e outro à sua esquerda. E cumpriu-se a Escritura que diz: Com malfeitores foi contado”. Marcos 15.27-28



12. Ele orou pelos Seus inimigos

Profecia: “Por isso, eu lhe darei muitos como a sua parte, e com os poderosos repartirá ele o despojo, porquanto derramou a sua alma na morte; foi contado com os transgressores; contudo, levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu”. Isaías 53.12

Cumprimento: “Contudo, Jesus dizia: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. Então, repartindo as vestes dele, lançaram sortes”. Lucas 23.34



13. Eles menearam a cabeça

Profecia: “Tornei-me para eles objeto de opróbrio; quando me vêem, meneiam a cabeça”. Salmo 109.25

Cumprimento: “Os que iam passando blasfemavam dele, meneando a cabeça e dizendo: Ó tu que destróis o santuário e em três dias o reedificas! Salva-te a ti mesmo, se és Filho de Deus, e desce da cruz!” Mateus 27.39,40



14. As pessoas zombaram de Jesus

Profecia: “Todos os que me vêem zombam de mim; afrouxam os lábios e meneiam a cabeça: Confiou no SENHOR! Livre-o ele; salve-o, pois nele tem prazer”. Salmo 22.7,8

Cumprimento: “De igual modo, os principais sacerdotes, com os escribas e anciãos, escarnecendo, diziam: Salvou os outros, a si mesmo não pode salvar-se. É rei de Israel! Desça da cruz, e creremos nele. Confiou em Deus; pois venha livrá-lo agora, se, de fato, lhe quer bem; porque disse: Sou Filho de Deus”. Mateus 27.41-43



15. Eles O olhavam

Profecia: “Posso contar todos os meus ossos; eles me estão olhando e encarando em mim”. Salmo 22.17

Cumprimento: “O povo estava ali e a tudo observava. Também as autoridades zombavam e diziam: Salvou os outros; a si mesmo se salve, se é, de fato, o Cristo de Deus, o escolhido”. Lucas 23.35



16. Suas vestes foram repartidas e sorteadas

Profecia: “Repartem entre si as minhas vestes e sobre a minha túnica deitam sortes”. Salmo 22.18

Cumprimento: “Os soldados, pois, quando crucificaram Jesus, tomaram-lhe as vestes e fizeram quatro partes, para cada soldado uma parte; e pegaram também a túnica. A túnica, porém, era sem costura, toda tecida de alto a baixo. Disseram, pois, uns aos outros: Não a rasguemos, mas lancemos sortes sobre ela para ver a quem caberá—para se cumprir a Escritura: Repartiram entre si as minhas vestes e sobre a minha túnica lançaram sortes. Assim, pois, o fizeram os soldados”. João 19.23,24



17. Foi abandonado

Profecia: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? Por que se acham longe de minha salvação as palavras de meu bramido?” Salmo 22.1

Cumprimento: “Por volta da hora nona, clamou Jesus em alta voz, dizendo: Eli, Eli, lamá sabactâni? O que quer dizer: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” Mateus 27.46



18. Foram-lhe dados vinagre e fel

Profecia: “Por alimento me deram fel e na minha sede me deram a beber vinagre”. Salmo 69.21

Cumprimento: “Depois, vendo Jesus que tudo já estava consumado, para se cumprir a Escritura, disse: Tenho sede! Estava ali um vaso cheio de vinagre. Embeberam de vinagre uma esponja e, fixando-a num caniço de hissopo, lha chegaram à boca”. João 19.28,29

“Deram-lhe a beber vinho com fel; mas ele, provando-o, não o quis beber”. Mateus 27.34



19. Ele entregou Seu espírito a Deus

Profecia: “Nas tuas mãos, entrego o meu espírito; tu me remiste, SENHOR, Deus da verdade”. Salmo 31.5

Cumprimento: “Então, Jesus clamou em alta voz: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito! E, dito isto, expirou”. Lucas 23.46



20.Seus amigos ficaram de longe

Profecia: “Os meus amigos e companheiros afastam-se da minha praga, e os meus parentes ficam de longe”. Salmo 38.11

Cumprimento: “Entretanto, todos os conhecidos de Jesus e as mulheres que o tinham seguido desde a Galiléia permaneceram a contemplar de longe estas coisas”. Lucas 23.49



21. Seus ossos não foram quebrados

Profecia: “Preserva-lhe todos os ossos, nem um deles sequer será quebrado”. Salmo 34.20

Cumprimento: “Chegando-se, porém, a Jesus, como vissem que já estava morto, não lhe quebraram as pernas. Mas um dos soldados lhe abriu o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água. Aquele que isto viu testificou, sendo verdadeiro o seu testemunho; e ele sabe que diz a verdade, para que também vós creiais. E isto aconteceu para se cumprir a Escritura: Nenhum dos seus ossos será quebrado”. João 19.33-36



Compensa analisar ainda duas outras profecias, que se referem aos Seus ossos, que também tiveram cumprimento exato, se bem que nesse caso ele não é mostrado tão claramente na Escritura:

“Derramei-me como água, e todos os meus ossos se desconjuntaram ...” Salmo 22.14



Não difícil entender que Jesus, tendo Suas mãos e pés pregados na cruz, teve os ossos desconjuntados, especialmente se lembrarmos que Ele foi pregado na cruz deitada no chão, que foi depois levantada.



“Posso contar todos os meus ossos...” Salmo 22.17



Ele foi dependurado nu na cruz (João 19.23), de modo que seus ossos podiam ser vistos. A distensão do Seu corpo e os suplícios terríveis da crucificação levavam os ossos a ficarem ressaltados.



22. Seu coração parou

Profecia: “Derramei-me como água, e todos os meus ossos se desconjuntaram; meu coração fez-se como cera, derreteu-se dentro de mim”. Salmo 22.14

Cumprimento: “Mas um dos soldados lhe abriu o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água”. João 19.34



23. Seu lado foi traspassado

Profecia: “E sobre a casa de Davi e sobre os habitantes de Jerusalém derramarei o espírito da graça e de súplicas; olharão para aquele a quem traspassaram; pranteá-lo-ão como quem pranteia por um unigênito e chorarão por ele como se chora amargamente pelo primogênito”. Zacarias 12.10

Cumprimento: “Contudo, um dos soldados lhe furou o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água”. João 19.34 (Edição Revista e Corrigida)



24. Trevas sobre a Terra

Profecia: “Sucederá que, naquele dia, diz o SENHOR Deus, farei que o sol se ponha ao meio-dia e entenebrecerei a terra em dia claro”. Amós 8.9

Cumprimento: “Desde a hora sexta até à hora nona, houve trevas sobre toda a terra”. Mateus 27.45



25. Sepultado no túmulo de um rico

Profecia: “Designaram-lhe a sepultura com os perversos, mas com o rico esteve na sua morte, posto que nunca fez injustiça, nem dolo algum se achou em sua boca”. Isaías 53.9

Cumprimento: “Caindo a tarde, veio um homem rico de Arimatéia, chamado José, que era também discípulo de Jesus. Este foi ter com Pilatos e lhe pediu o corpo de Jesus. Então, Pilatos mandou que lho fosse entregue. E José, tomando o corpo, envolveu-o num pano limpo de linho e o depositou no seu túmulo novo, que fizera abrir na rocha; e, rolando uma grande pedra para a entrada do sepulcro, se retirou”. Mateus 27. 57-60





Qualquer dúvida, mande uma mensagen, clique aqui.

Bíblia: O papel aceita tudo?

Crédito imagem: cams-not-in-lux

O papel aceita tudo?

O "papel aceita tudo" é uma afirmação muito propagada por céticos, situação em que a bíblia e literaturas de ficção são colocadas do mesmo lado,mas  afinal, a lógica baseada na observação desmente ou suporta esse pensamento?

Primeiro devemos entender que personagem não é o mesmo que testemunha, o contexto em que um documento está inserido diferencia uma simples literatura de ficção de uma narrativa histórica, quer dizer, um gibi do homem aranha não é o mesmo que um documento oficial de algum grupo.



Não há nenhuma reivindicação de historicidade em qualquer obra de ficção, contrapondo-se a isso, veja a declaração do autor do livro de Lucas no início do respectivo livro:



"Tendo, pois, muitos empreendido pôr em ordem a narração dos fatos que entre nós se cumpriram, 



Segundo nos transmitiram os mesmos que os presenciaram desde o princípio, e foram ministros da palavra, 



Pareceu-me também a mim conveniente descrevê-los a ti, ó excelente Teófilo, por sua ordem, havendo-me já informado minuciosamente de tudo desde o princípio; 



Para que conheças a certeza das coisas de que já estás informado. "



Lucas 1:1-4



Há diversas pistas quando uma obra escrita é produzida como uma ficção, geralmente os próprios autores ou editores deixam isso claro nas declarações e considerações contidas nos escritos, isto é, as pessoas sabem desde o início que a obra é de ficção, ou seja, não existe risco de que um livro de fantasia do tipo Harry Potter ou outro qualquer passe a ser encarado como história verídica no futuro. 



Já uma lenda, é a simples transmissão de contos sem origem ou testemunhas, o copista coloca no papel lendas e boatos transmitidos por tradição oral, retransmitindo-as, mas não se preocupa em dar detalhes de comprovação da mesma, diferentemente dos documentos judaicos. Foi dessa forma que ocorreram produções de registros dos deuses antigos gregos, sumérios, egípcios etc.

Por exemplo, um indivíduo escreve uma história já difundida envolvendo Zeus, mas não detalha as provas que a divindade realmente existiu: 
quais humanos constataram a existência de tal divindade e que sinais objetivos foram dados para determinado povo que provariam que a suposta divindade fosse real. Nesse tipo de documento falta justamente os elementos que suportam o compromisso histórico.

Quem está escrevendo sabe que o conteúdo vai passar pelo crivo das pessoas de sua época e que não pode passar por essa barreira se tiver tentando transformar ficção em realidade.




A dificuldade de inventar eventos fantásticos em documentos oficiais. A Bíblia como documento confiável.



É factível a chegada até uma conclusão correta sobre o conteúdo de documentos antigos, não precisamos ter vivido na época, primeiro identifica-se o tipo: obra de ficção, proliferação de lenda ou documentos oficiais (documento de cunho coletivo, onde seus autores reivindicavam compromisso histórico).


Nenhum líder religioso ou governante, por mais poder que tenha, quer se complicar perante os seus seguidores, ninguém quer perder o respeito e atacar a própria imagem inventando eventos que poderiam ser desmascarados facilmente.

Você não verá, por exemplo, um líder religioso, mesmo tido como milagreiro, escrevendo embustes com situações objetivas no site ou documento oficial de sua própria instituição, dizendo que ressuscitou um membro de sua igreja em estado pútrido ou que andou sobre o mar com os membros de sua igreja olhando a cena, embora pessoas sejam curadas, os feitos desses milagreiros vão ficar sempre na esfera subjetiva sem qualquer comprovação que a cura tenha sido causada realmente por eles.


Essa impossibilidade de ficar inventando coisas em grupos, mesmo em seitas, ocorre porque é fácil de ser desmentida pelos próprios membros da organização. 



Pegando Jesus como exemplo, para um farsante ter sucesso ele jamais poderia lançar mão de comprovações objetivas, pois não sendo verdade, a situação seria facilmente desmascarada. 


Conclusão:


Há claras diferenças entre registros oficiais, de lendas e de ficção literária.


Não se pode colocar esses registros no mesmo grupo, cada um deles obedece certos critérios, quem tentar passar uma história com eventos sobrenaturais inventados como algo real certamente será ridicularizado, assim como quem citar testemunhas inexistentes para supostos eventos sobrenaturais em documentos oficiais será censurado por seus próprios contemporâneos.


O farsante é mestre da manipulação, ele não se expõe, utiliza milagres subjetivos, filosofias e promessas sem lastro seguro (sinais de conexão real do mensageiro com um Criador) para conseguir adeptos, portanto, o papel definitivamente não aceita tudo, é o que a observação mostra.

Escritores e historiadores da época não mencionaram Jesus Cristo?

Crédito imagem:Brian Morley


Em 2015, um pesquisador americano chamado Michael Paulkovich afirmou que escritores ou historiadores da época não mencionaram Jesus , e que por isso ele é um mito. Abaixo, analisaremos se essa conclusão é correta.

O fato é que escritores escreveram sim sobre Jesus, afinal, há nada menos que 27 documentos corroborando a sua história, esses escritos foram reunidos e chamados de Novo Testamento. Essa rede de corroboração é raridade na história, se pegarmos ícones históricos (que ninguém dúvida da existência, diga-se) como Alexandre, o grande, entre outros, não chega nem perto do número de documentos sobre Jesus.



Por que historiadores da época não mencionaram Jesus?


Apesar da menção de Flávio Josefo, alguns céticos geralmente acusam esse item de falsificação.

A tentativa de invalidar o registro de Josefo com a acusação de que a passagem sofreu interpolação não é válida, veja porque:
Dois pesquisadores (Edwin Yamauchi e John P. Meier), construíram uma cópia do “Testimonium” com as inserções prováveis ​​entre parênteses.
O parágrafo a seguir é de Yamauchi:

(1) “Nessa época vivia Jesus, um homem sábio [se é que se deve chamá-lo de um homem.] Pois ele foi um operador de obras maravilhosas, um mestre dos homens que recebem a verdade com prazer. Ele conduziu  muitos judeus e muitos dos gregos. [Ele era o Cristo]. E quando Pilatos o condenou à cruz com risco de seu impedimento pelos mais importantes de entre nós, aqueles que o haviam amado a princípio não cessaram [No terceiro dia, ele apareceu a eles restaurado à vida, pois os profetas de Deus haviam profetizado estas e inúmeras outras coisas maravilhosas sobre ele.] E a tribo dos cristãos, assim chamados depois dele, ainda hoje não desapareceu. ”
^
Vemos aí que mesmo tirando o que acredita-se ser uma interpolação no texto, a referência à Jesus e sua morte está intacta.
O alvo dos historiadores.
Mesmo que Flávio Josefo e outros historiadores (deixando de lado as discussões sobre Tácito e Suetônio) fora do grupo testemunhal de Jesus não tivessem mencionado a sua existência, isso não seria fundamental:

É preciso entender que o alvo preferido dos historiadores são pessoas que interferem diretamente no sistema geopolítico, e não era essa a proposta de Jesus, Ele não pegou em armas, não conquistou territórios, não tinha ambições políticas, não lutou, nem se quer questionou o império romano a fim de ter a independência para os judeus,  não cobiçou poder e riquezas,ou seja, Jesus não tinha absolutamente nada que chamasse a atenção de historiadores que ficavam fora dos limites percorridos por ele.

Dentro daquele contexto, não havia motivo para perderem tempo com o que ouviram falar das testemunhas de Jesus, já que que pressupunham (assim como o ceticismo e o preconceito de hoje), que os cristãos fossem apenas lunáticos.

Quem deveria contar a história de Jesus?
A história de Jesus foi contada justamente  por quem deveria contá-la. l
Lembrando o que já foi dito em outro artigo, cada nação ou grupo é o maior responsável por preservar a sua própria história, não são os EUA, por exemplo, que serão obrigados a transmitir particularidades do Brasil, de fatos que ocorreram dentro do nosso território e sociedade, mas sim o próprio Brasil que tem essa missão. As testemunhas de Jesus é que tinham motivação e obrigação de transmitir o que viram, e não um historiador da elite judaica, romana ou grega.
A elite judaica da época estava afundada em tradições humanas, deram mais importância a elas, do que aos testemunhos sobre Jesus. 

Já a elite romana não queria saber de nada que diminuísse seus imperadores, ainda mais vindo de um grupo "inferior" e dominado por eles. 



Por que nenhum historiador comentou sobre a ressuscitação dos santos ou, "zumbis" (sarcasmo utilizado por escarnecedor) andando pelas ruas?

Em mateus cap. 27, temos uma narrativa não linear informando que após a Ressurreição de Jesus, alguns mortos fiéis à Deus, foram ressuscitados sendo vistos por muitas pessoas:

"E abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos que dormiam foram ressuscitados;

E, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição dele, entraram na cidade santa, e apareceram a muitos."


Mateus 27:52-53


Está registrado em Mateus. Logo a palavra "nenhum" não cabe aí. 

Veja, é a mesma aplicação da Ressurreição de Jesus, se esses eventos fossem mentiras, o cristianismo seria facilmente desacreditado na época e teria morrido ali mesmo, afinal, a documentação escrita (Escrituras) e a pregação já ocorriam quando ainda haviam testemunhas oculares vivas, e os acontecimentos eram recentes na memória histórica daquelas gerações, ou seja, qualquer invenção seria facilmente desmentida.  

Certamente as pessoas que viram tais eventos comentaram e a notícia correu, mas a elite judaica deu pouco importância, fazendo o mesmo que fizeram com a Ressurreição de Jesus. E os romanos, novamente e pejorativamente, tiveram essa história apenas como mais um mito de judeus ignorantes (o velho e conhecido preconceito)  

Conclusão: 

O importante é que o fato foi registrado pelo grupo que deveria registrar.

(1)Yamauchi, Edwin, “Jesus Outside the New Testament: What is the Evidence?” in Jesus Under Fire: Modern Scholarship Reinvents the Historical Jesus , edited by Michael J. Wilkins and JP Moreland, Zondervan, 1995, 212-14 and John P. Meier, “Jesus in Josephus: A Modest Proposal,” Catholic Biblical Quarterly 52 (1990): 76-103.


IMPRIMIR ARTIGO

Print Friendly and PDF