Lendas e mitologias. É possível inventar verdades?

"ET de Varginha". Crédito Imagem: Kennedy Martins

É possível  criar eventos e contos mentirosos  como verdades?


A resposta para a pergunta é NÃO. Para conterem verdades, os relatos precisam ser confirmados por pessoas contemporâneas aos fatos, e caberão a essas pessoas registrarem o ocorrido para a posteridade. 

Como obviamente não somos onipresentes,o sistema de conhecimento que rege o mundo vem das interações humanas. E os registros do passado servirão como fonte para delimitarmos o que é lenda ou fato dentro da história de cada povo.

Observe, por exemplo, o recente já transformado em mito "ET de Varginha", é assim que essa história será repassada, como mito, lenda, pois não houve comprovações entre as pessoas da época, e isso ficará nos registros sobre o caso, podendo no futuro ser checado, o mesmo ocorreu com o Lobisomem, e outros diversos mitos, nenhum deles tem suporte para serem reais, pois são histórias sem origens definidas ou sem relatos corroborativos dentro de uma rede de documentos.

Crédito imagem: Wikimedia Commons
Busto do mitológico ZeusAs mitologias gregas, hinduístas, egípcias, entre outras. Também são exemplos de histórias sem comprovações, elas não trazem em seus próprios registros, informações de que o povo da época teve qualquer conexão com seus respectivos deuses, isto é, nenhum evento extraordinário e objetivo foi observado por testemunhas humanas, nada que possa trazer esses deuses para a realidade, se não teve comprovações pelos contemporâneos dos fatos, os registros então são de meras lendas, e não de fatos corroborados. Os próprios autores não escreveram com compromisso histórico, não falam em verdades, fatos, pessoas reais envolvidas e testemunhas. São apenas proliferação de contos sem origem definida com personagens lendários,produto da mente humana. Perceba que não estou agindo com preconceito e nem por pressuposição, a conclusão é tirada dos próprios documentos históricos, onde é constatado a falta de suporte para aceitarmos as histórias como reais.


Portanto, mesmo nos documentos históricos de religiões, é possível separar o que é lenda ou fato:

Exemplo de criação de uma lenda (algo sem comprovação) ou confirmação de uma verdade.

Uma pessoa faz algo inacreditável:


(   )  Sem corroboração testemunhal > (Lenda)

( x ) Com corroboração testemunhal > (Verdade)



Vivemos num mundo nonsense?


Grupos de pessoas, ou até uma nação inteira saem inventando eventos que não viram, como fatos corroborados?

Ou, há regras intrínsecas à interação humana racional?

A observação ao nosso redor, ao contrário do que ateus e céticos pregam por aí, mostra que não vivemos num mundo nonsense, e contra fatos não há argumentos!  Vejam só:

Foto: Rafaela Tabosa/D.A Press
*Família espera a ressurreição de aposentada
Se uma pessoa disser que vai ressuscitar depois de três dias, algumas pessoas podem até aguardar esse evento, mas se o prometido não se tornar real, ou seja, se a ressurreição não for corroborada por testemunhos, demonstrando que a ressurreição realmente ocorreu, a verdade estabelecida será a morte e não a ressurreição. Pessoas não vão perder tempo saindo por aí contando e registrando algo, que elas sabem que não é verdade, sendo que outras pessoas testemunharam justamente o contrário. Portanto, a afirmativa cética não corresponde com a realidade.

Família espera a ressurreição de aposentada:

*“Havia uma expectativa de que ela ressuscitaria após três dias. Não posso dizer que cheguei a acreditar nisso, mas oramos muito e pagamos para ver. Passado o período, tivemos de providenciar o sepultamento”, disse Eudmarco Medeiro de Farias, 33 anos, secretário e amigo da família.

1

2

3

( Print Cache G1)


http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL1357932-5598,00-APOSENTADA+MORRE+E+FAMILIA+ESPERA+TRES+DIAS+PELA+RESSURREICAO+NA+PARAIBA.html


Na cabeça do cético, o argumento extraído é uma presunção (ignorando observações no julgamento) de que grupos de pessoas agem de forma irracional, criando conluios para gerar falsas verdades, porém organizadas e sem contradições. Como se vivêssemos num mundo surreal, onde mentiras e verdades não pudessem ser distinguidas, mas a observação do mundo real mostra outra coisa, o grupo que esperou a ressurreição da aposentada, não vai sair por aí dizendo que ela está viva,sendo que o testemunho foi que ela morreu e não cumpriu o prometido. Se o mundo funcionasse de forma surreal como pensa o cético, viveríamos num caos.


AP via IG 
Em foto fornecida pelo canal National Geographic, Jamie Coots, pastor em Middlesboro, Kentucky, posa para foto. Manipulador de cobras, ele morreu após ser picado por uma.

Não é porque o grupo é religioso que eles vão fazer conluio irracional para defender suas crenças e distorcer o que realmente foi testemunhado.

Os fieis membros da igreja do pastor, que é bom que se diga, tinha uma interpretação muito errada das Escrituras, não vão sair por aí falando e escrevendo memórias dizendo  que ele sobreviveu e está morando no Brasil, ou em algum outro país do terceiro mundo.

"O filho do pastor, Cody Coots, disse à estação de TV que seu pai já havia sido picado oito vezes antes, mas nunca teve uma reação tão forte. O filho disse que ele pensou que essa vez seria igual"



As mentiras, eventos desacreditados sem confirmações, viram meras lendas, mitologias, não tem suporte para serem verdadeiros.

Perceba  que a crença na Ressurreição de Cristo é baseada em fatos que exigiriam confirmações, pessoas da época registraram o ocorrido para as gerações futuras, e é assim que funciona, há várias testemunhas relatadas. Se fosse uma invenção, o Cristianismo teria morrido no berço, pois os testemunhos apontariam para o que realmente ocorreu, impossibilitando invenções, pois quem inventasse seria taxado de louco na época, assim como alguém que inventasse que a aposentada ressuscitou, no caso acima.

Não é porque você não viu que é mentira, é impossível o conhecimento que adquirimos durante a vida, ser fruto somente do que nós mesmos vimos. 

Não é porque eu ainda não era nascido em 1969, que eu vou duvidar que o homem esteve na lua nessa data e acreditar que as imagens não passam de montagens bem feitas. Não preciso ver o evento com meus próprios olhos, pois eu sei que há uma corroboração testemunhal bem documentada sobre isso, não é porque não estive presente num campo de concentração, que vou duvidar que isso realmente ocorreu.

O fato, para ser admitido como conhecimento, precisa ser corroborado por outras pessoas. A observação corroborada faz parte do próprio método cientifico e do reconhecimento da ciência, por exemplo, se um cientista afirma uma descoberta através de um experimento, mas outras pessoas reproduzindo o mesmo experimento informado testemunham o contrário do afirmado, a descoberta será desacreditada. Isso se estende para outras áreas, como ciência do direito e História, dependemos sempre de outras pessoas, negar isso, é negar o mundo à nossa volta.

Como vimos nos exemplos acima, do mundo ao nosso redor, pessoas não se reúnem para arquitetar mentiras em forma de eventos ou criar falsos acontecimentos como reais, senão o viveríamos num mundo nonsense, a mentira ocorre em ocasiões especificas e conhecidas, além disso, uma verdade para ser estabelecida precisa obrigatoriamente de reforços testemunhais, se isso não existir, a história fica no campo da lenda, por isso o recurso das testemunhas é meio indiscutível na Justiça para se chegar a comprovação ou não da verdade, sem testemunhos não há nem perícia criminal, não há crime. É uma lei das interações humanas.


Maomé.

Podemos descartar Maomé como mensageiro de Deus, utilizando os próprios documentos do islamismo, não há testemunhas dos feitos de Maomé, alguns supostos milagres como ascensão dele aos céus ou árvore que chora, foram ditos pelo próprio Maomé, não há provas relatadas que pessoas viram.

Maomé não pôde inventar testemunhas, pois seria desmentido por seus contemporâneos, sem testemunhas seus feitos se enquadram na categoria de lendas.

Portanto não há prova de que Maomé era realmente Profeta de Deus, indo na contramão dos Profetas Bíblicos e de Jesus.  As pessoas que o seguem hoje infelizmente, não enxergam o óbvio, que o Alcorão é apenas produto de um homem.




Ilíada x Bíblia.


Por incrível que pareça, alguns céticos tentam comparar a Ilíada com a Bíblia, pelo fato de arqueólogos terem encontrado o que pode ser a Tróia, mencionada no escrito grego.


Porém, o texto foi escrito mais de 400 anos depois da Guerra, por um homem, chamado Homero, que utilizou no enredo personagens já lendários, ou seja, sem comprovações de suas existências.

O poeta apenas utilizou uma guerra por motivações territoriais, como pano de fundo para um romance ficcional, utilizando personagens lendários (incluindo a motivadora da confusão, Helena de Tróia). A utilização de componentes reais com ficção é muito comum também em literaturas atuais de cunho neo-realista. Não é porque um registro é antigo que ele é verdadeiro, a análise do conteúdo vai mostrar se o autor escreveu com compromisso histórico ou não.


Ao contrário de documentos que compõem a Bíblia, a Ilíada não se assume como uma narrativa histórico-documental, não há testemunhas, e nem comprovação da existência de qualquer um dos personagens descritos no conto.


A própria Tradição antiga Judaica confirma seus ícones e eventos como verdadeiros e não como mitos, Moisés era o patriarca dos judeus, um homem real para os judeus, ao contrário da figura mitológica de Aquiles para os gregos, que é apenas reconhecido dentro da mitologia grega.



Crédito imagem: freepik.com



"A história de Jesus é um mito porque se você inventar uma história fictícia que tenha testemunhas fictícias a história não se torna verdadeira."

Re: Se você inventar uma história fictícia como verdadeira e apontar testemunhas, as pessoas irão querer saber quem são, por isso Maomé e outros líderes religiosos não puderam fazer isso. 

Com a inexistência das testemunhas, a história não tem suporte para ser verdadeira.

Exemplo da deficiência de Testemunhas nas religiões:

Mórmons: Joseph Smith
Alcorão: Maomé
Espiritismo : Allan Kardec.


Quanto a chamar falsas testemunhas, a história mostra que isso não existe, se fosse assim todas religiões teriam testemunhas, mas elas não tem.  Como já foi dito, pessoas não se reúnem para criar eventos mentirosos, e não estão dispostas a morrerem por algo que sabem ser mentira, mas sim pelo que acreditam, essa possibilidade piora quando o líder prega de forma veemente contra o falso testemunho. Portanto não  há nenhuma possibilidade da Ressurreição de Jesus ser um mito, Deus sabe de tudo, e deu todo o suporte para que acreditemos nEle, não acreditar é apenas teimosia.
"Mas Chico Xavier teve várias testemunhas!"

Re: Sim, há várias pessoas que confirmam que Chico Xavier se comunicou com seus filhos mortos, por reconhecerem algo deles na mensagem, mas como saber se a informação foi dada realmente pelo falecido?

 Episódio como esses de Chico Xavier é relatado no livro 1 Samuel, Quando o Rei Saul, afastado de Deus, foi até uma médium para se comunicar com o falecido Profeta Samuel, a médium fez o contato e repassou a mensagem, porém, na Bíblia é dito que os mortos perdem a comunicação com os vivos, portanto, mesmo que Xavier não tenha tido ajuda de pessoas que conheciam o morto, o médium foi usada por um espírito enganador, isto é, um demônio.


  "Testemunhas existem somente na Bíblia, ou seja, de acordo com as testemunhas da Bíblia, a Bíblia está certa! É a Bíblia confirmando a Bíblia?"

Re: Não é a Bíblia confirmando a  Bíblia, a Bíblia simplesmente contém documentos( de diversas épocas) que relatam fatos passados. Pessoas de diversas classes sociais, que não se conheciam e estavam separadas pelo tempo, presenciaram muito dos relatos e escreveram os manuscritos que compõem a Bíblia, se esse conluio não ocorre nem quando todos vivem na mesma época (como visto acima), imagine então quando as pessoas estão separadas pelo tempo?

"E as testemunhas da Torre de Babel? Do dilúvio? Adão e Eva?"

Re: Esses relatos de Genesis foram escritos por inspiração divina, as pessoas tomaram como verdade porque Moisés já tinha credenciais (dadas por Deus) o suficiente para que os hebreus acreditassem nele, Jesus também fez o mesmo ao confirmar as histórias das Escrituras antigas, Ele provou pelos sinais, que estava com Deus, não há motivo para duvidar da mensagem que eles passaram.

"Mas, quando é o caso de que as únicas testemunhas são as pessoas que descreveram este evento?" 

Re: As testemunhas são pessoas que escreveram e que viveram o que ocorreu, e há também testemunhas relatadas, o que não é o caso de Homero com a Ilíada em nenhuma das situações.

"O Ulisses não é uma testemunha de que a Ilíada esta certa? Ou este argumento só serve para a Bíblia?

Re: Ulisses é mito, era uma figura já lendária quando Homero escreveu a saga fictícia.
A própria memória histórica dos gregos encara esse conto como mito, então não teria porque insistir que é uma história real.



Conclusão:

Você consegue conceber o presidente ou ministro de uma Nação (lembrando que os profetas faziam parte do governo teocrático de Israel) relatando em documentos oficiais que o povo foi testemunha de grandes feitos sobrenaturais, mesmo o povo não tendo visto nada?

 A história desse governante seria desmentida ou não? Ele seria interditado e afastado do poder ou seria respeitado por suas declarações?

Definitivamente não vivemos num mundo nonsense.

IMPRIMIR ARTIGO

Print Friendly and PDF